Print E-mail
banner_ortigao

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it

 

Horário (a partir de 14 set.)

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 


A morte de Ramalho Ortigão na imprensa

 

 

Mostra
Ramalho Ortigão. Um publicista em fim de século


Centenário da morte de Ramalho Ortigão (1836-1915)

NOTÍCIA | 27 set. 2015

ortigaoNo ano em que se comemora o centenário da morte de José Duarte Ramalho Ortigão (Porto, 24 de outubro de 1836 — Lisboa, 27 de setembro de 1915), a Biblioteca Nacional de Portugal para além da divulgação das suas obras mais conhecidas através da BND, selecionou um conjunto de notícias alusivo à morte e funeral de Ramalho Ortigão.

Uma autobiografia de Ramalho Ortigão

«Tenho hoje 54 anos, dos quais 35 consagrados à profissão das letras. Do exercício da minha arte tirei grandes alegrias de aplicação e de trabalho. Nos primeiros anos um feminismo, que estava talvez em gérmen no meu temperamento, mas que a leitura de Garrett na psicose da minha puberdade contribui muito para desenvolver num sentido romanesco, levava-me a apetecer um certo género de celebridade: que as mulheres me lessem, me olhassem com simpatia. Essa ambição tive, mas nunca tive outra sendo completa e absolutamente indiferente ao aplauso das academias, aos prémios oficiais, a toda a espécie de honras e dignidades públicas. Mais tarde esvaiu-se esse mesmo desejo de ser lido por mulheres lindas, e o meu único prazer de escrever está na minha própria escrita, quando raramente numa e noutra linha consigo fixar a imagem de um sentimento verdadeiro, transmitir uma emoção sincera.

Maçar o menos que seja possível o meu semelhante, procurando tornar para os que me cercam a existência mais doce, o mundo mais alegre, a sociedade mais justa, tem sido a regra de toda a minha vida particular. O acaso fez de mim um crítico. Foi um desvio de inclinação a que me conservei fiel. O meu fundo é de poeta lírico.

Cumpri o melhor que pude o meu destino, criando o filho e escrevendo o livro. Faltou-me plantar a árvore, e é já agora tarde para o fazer com alguma probabilidade de aproveitar a sombra.

Mas à minha profissão exercida com modéstia, mas com honradez, devo amizades, e ligações de simpatia, que fazem a minha única glória, e me permitirão talvez não morrer ao sol e às moscas.
»

«Gazeta de Notícias». Rio de Janeiro
(18 out. 1915) [bn-acpc-e-e19-2341]

Obras disponíveis na BND:
As farpas : chronica mensal da politica das letras e dos costumes. Ramalho Ortigão, Eça de Queiroz. Maio 1871-s. 4, n. 3 (Jun. 1883), Lisboa : Typ. Universal, 1871-1883.
O mistério da estrada de Cintra : cartas ao Diário de Notícias.  José Maria Eça de Queirós, Ramalho Ortigão. 3a ed. Lisboa : Liv. António Maria Pereira, 1894
O culto da arte em Portugal. Ramalho Ortigão. Lisboa : A.M. Pereira, 1896
Ultimas farpas : cartas portuguesas : homens e factos dos derradeiros tempos, 1910-1915. Ramalho Ortigão. Rio de Janeiro : Francisco Alves Lisboa : Aillaud e Bertrand, 1916

A morte de Ramalho Ortigão na imprensa
28, 29 e 30 de setembro de 1915


Cabeçalho: Pormenor de «Álbum das Glórias», desenho de Bordalo Pinheiro. Typ. Editora Rocio, Lisboa, 1880-1902.